O Centro de Mediação Familiar

CENTRO DE MEDIAÇÃO FAMILIAR

Objetivo: Oferecer às famílias em litígio, através da mediação, um espaço de conscientização e responsabilização na continuidade das relações familiares.

A mediação vem a ser uma proposta estimuladora do autogerenciamento e da comunicação. Ela propõe uma transformação cultural, uma mudança de paradigma com relação à capacidade de autonomia dos indivíduos em administrar suas vidas. Ela evita o agravamento dos conflitos e traz um novo olhar a ideologia tradicional de resolução de controvérsias, já que tem como fundamento a cooperação e não a competição. A mediação constitui um meio de efetivo acesso a justiça na medida em que difunde uma cultura de paz, devolvendo às partes conflitantes a autonomia de conduzir seus impasses, visando restabelecer a comunicação entre elas, estimulando a continuidade dos vínculos pessoais, familiares, negociais, possibilitando que o eventual acordo tenha maior probabilidade de ser cumprido espontaneamente

A mediação tem se revelado como um instrumento ético de implementação dos direitos humanos ao promover um novo olhar sobre o conflito, proporcionando o resgate da cidadania na construção de soluções mais humanizadas e integradoras, mostrando-se adequada e necessária, sobretudo, na condução de conflitos que envolvem relacionamentos interpessoais continuados, como os decorrentes dos vínculos familiares

Família: “Ser humano se constitui e se desenvolve por meio de suas relações, sendo a família sua matriz”. Ela é o núcleo básico essencial e estruturante do sujeito. Apesar das crises pelas quais tem passado, não se acaba, apenas se transforma, com novas configurações.

Direito de Família: “As relações de Direito de Família são as mais complexas e completas por se referirem a própria experiência humana”. È o campo do Direito que lida especificamente com perdas, culpas, danos e responsabilidades, decorrentes dos dramas familiares em decorrência de sua ruptura. Não são apenas litígios que se resolvem, mas pessoas em situação de crise e sofrimento que se encontram em impasse.

O conflito e a Mediação– A mediação considera o conflito como uma oportunidade de crescimento e transformação e que as pessoas devem discuti-lo e procurar administrá-lo da melhor maneira possível, pois ele faz parte da convivência humana e é necessário para o aprimoramento das relações

A Mediação Familiar é um procedimento de administração de conflitos em que os membros da família procuram ou aceitam a intervenção confidencial e imparcial de uma terceira pessoa, o mediador familiar, cuja função é o de conduzi-los a encontrar por si próprios os fundamentos de um acordo justo, durável e mutuamente aceito, considerando as necessidades de cada um e especialmente das crianças.

Objetivos da Mediação Familiar: Visa oportunizar às famílias em litígio, um atendimento mais humanizado, de maneira acessível, ágil e menos burocrática; contribuir para melhorar a comunicação entre os genitores em processo de separação, levando em consideração os interesses dos filhos; minimizar os conflitos decorrentes da separação; facilitar uma atitude de cooperação entre os envolvidos e reforçar a coparentalidade responsável.

Benefícios da Mediação: Celeridade, efetividade de resultados, preservação de autoria, redução do custo emocional, redução do custo financeiro, sigilo e privacidade, transformação das relações, prevenção na formação de conflitos, prevenção na reincidência de conflitos, fluidez na comunicação, melhoria no relacionamento interpessoal e intergrupal, atendimento aos interesses mútuos, responsabilidade nas decisões coconstruídas

Vantagens da Mediação Familiar: Maior eficácia na organização familiar, melhora nas funções parentais, diminuição da violência doméstica, desenvolvimento da habilidade de comunicação, o que permite uma maior apropriação da família na administração de seus conflitos.

Inviabilidade da Mediação: Não possuir interesse na resolução do conflito, não adequação as regras da mediação, presença de alguma patologia psíquica que impeça a comunicação e a tomada de decisões entre os interessados, houver incidência de : violência doméstica, maus tratos infantis ou toxicodependência, desequilíbrio de poder e autonomia e cronicidade do conflito.

Acompanhe a Estatística Mensal em https://conciliar.tjpb.jus.br/?cat=8

Fonte: Centro de Mediação Familiar – Fórum Cível